Hoje começo no meu blog a passar em revista a história do nosso clube, começando em 1939, passando pelos gloriosos anos 50, década de 70 e 90, deixando para amanhã o Séc. XXI.

Fundado no dia 17 de Maio de 1939, o nosso clube começou por se chamar Grupo Desportivo Estoril Plage, nascendo da Sociedade Estoril-Plage, que tinha como principal dinamizador Fausto Cardoso de Figueiredo, e era proprietária do caminho de ferro Lisboa-Cascais, dos hotéis Inglaterra, Paris e Palácio, do edifício das termas e do Casino Estoril. O clube adaptou como seu emblema e suas cores as maiores riquezas que a região possui, o amarelo do sol e o azul do mar, tendo esta escolha espelhado bem o quanto o clube está ligado a sua região, que nessa época era a melhor estância balnear do país. O equipamento defenido, amarelo e azul, fez com que a equipa ganhasse a alcunha de “Canarinhos”, uma homenagem à selecção brasileira.

O ano da sua fundação (1939) era de perspectivas difíceis, a II Guerra Mundial começaria a 1 de Setembro, mas não faltavam esperanças em certos sectores da vida portuguesa. Rapidamente o clube superou a fasquia dos 2.500 sócios. Os fundadores e primeiros dirigentes foram, entre muitos outros, Dr. Joaquim Cardim, José Peña Solleiro, José Ereira, João Rebelo, Armando Vilar, Ernesto Tomás e Joaquim Nunes. Na temporada de 1944/1945, obteve a sua primeira participação na primeira divisão, conseguindo um resultado histórico de 8-1 ao F.C. Porto na Amoreira, no Estádio António Coimbra da Mota, ponto alto de uma temporada que terminou em descida. Na época seguinte voltou a subir, obtendo resultados históricos relativamente a goleadas, das quais a maior goleada do campeonato, o 10-0 na época de 1949/1950 ao Lustano Sport Clube, mais conhecido como Lusitano VRSA, a classificações(dois quintos lugares e um quarto lugar) e a golos marcados, destacando-se os 96 golos em na época de 1946/1947. O Estoril seria despromovido na época de 1952/1953, iniciando assim um período de 23 anos sem participar na 1ª Liga, tendo passado pelos escalões distritais do país. Regressado à 1º divisão em 1975/1976, manteve-se  durante 5 épocas (a 75/76 e a 79/80), ocupando as posições do meio da tabela, numa equipa onde pontificavam Cepeda, Fernando Santos e o “magriço” José Torres. Relegado em 79/80, regressou em 81/82, mantendo-se na 1ª liga nas épocas de 81/82, 82/83 e 83/84, mostrando ao país jogadores como Manuel Abrantes, Fernando Santos, José Abrantes ou José António. Regressou em 1991, tendo-se mantido na 1ª liga durante 3 épocas, com uma equipa que misturava experiência e juventude, em que se destacaram jogadores como Carlos Manuel, Sanchez, Mário Jorge, Paulinho ou Voynov. Relegado em 1993/1994, caía para a Liga de Honra, de onde viria a cair para 2ª Divisão B, numa das fases mais conturbadas da história do clube…

 

Anúncios